"Agradeço a Deus Pai, a Deus Filho e a Deus Espírito, para mim sem Eles nada é possível, nada sou e nada faço." "A Graça de Deus me basta!"

Salette Granato

A BICICLETA AZUL, O QUARTINHO E O COELHÃO AMA... R$ 25,00
A GUERRA NA SOMBRA DO POETA (EDIÇÃO ESGOTADA) R$ 25,00
O IPÊ À MINHA JANELA (EDIÇÃO ESGOTADA) R$ 25,00
Textos

2012 À PROCURA DA PAZ


Muitos procuram pela paz, nem todos a encontram. Viver em paz não é só o desejo de todos os brasileiros, mas, da humanidade. Quem não se recorda de John Lennon, cantor e compositor britânico, com sua música ‘Imagine’ e os versos: “Imagine all the people/ Living life in peace” (Imagine todas as pessoas/ vivendo em paz). Infelizmente, a sua mensagem não tocou o coração do seu assassino para evitar aquele fatídico 08 de dezembro de 1980, como não tem chegado ao coração dos violentos, não só os que partem para a agressão física, também a verbal e há muitos com esse mau costume por aí...
Certamente, a paz não é uma utopia e começa dentro dos nossos corações, nos pequenos atos e nos nossos limites. Temos limites, a nossa Constituição Federal prevê muito bem quais são eles e também os limites que devemos colocar aos outros. Velhas regras podem ser observadas e uma delas está num dos livros da Bíblia -  Provérbios 3.31: “Não tenhas inveja do homem violento, nem sigas nenhum dos teus caminhos...” Essa tal violência é o mais triste desfecho da atitude humana, o de fazer valer a sua vontade sobre o outro, aflorando o impulso agressivo do homem, o mesmo impulso que leva o homem a guerrear, deixando de lado a valorização da vida, fazendo somente valer a sua vontade!
Albert Einstein, memorável cientista, também esteve preocupado com a violência mundial e em 30 de julho de 1932 resolveu questionar o amigo, também pacifista e professor Sigmund Freud -  nada mais nada menos que o pai da Psicanálise, especialista em comportamento humano. Questionou o amigo sobre o que fazer para controlar a evolução da mente humana e assim controlar as psicoses do ódio e da ‘destrutividade’, razões da violência. Estava preocupado com as perseguições às minorias raciais e com a iminência de guerra, focava a paz mundial.
Em resposta, Freud fez uma extensa análise do comportamento humano, o que vale a pena ser conferido nas cartas trocadas entre os amigos, que são de domínio público. Freud responde ao amigo Einstein: “...tudo o que estimula o crescimento da civilização trabalha simultaneamente contra a guerra”. Também questiona: “E quanto tempo teremos que esperar até que o restante da humanidade também se torne pacifista?” Ele mesmo responde: “Não há como dizê-lo”.
Freud também dá a receita para acabar com a violência: “Fortalecer o intelecto faz o homem governar o seu instinto e conter os impulsos agressivos”.
Enfim, a paz está dentro de nós, é o resultado do que somos, dos valores que herdamos e da educação que recebemos, assim conseguimos dominar o nosso instinto e conter os nossos impulsos, sejam eles para o que for!
SALETTE GRANATO
Enviado por SALETTE GRANATO em 01/02/2012
Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras