"Agradeço a Deus Pai, a Deus Filho e a Deus Espírito, para mim sem Eles nada é possível, nada sou e nada faço." "A Graça de Deus me basta!"

Salette Granato

A BICICLETA AZUL, O QUARTINHO E O COELHÃO AMA... R$ 25,00
A GUERRA NA SOMBRA DO POETA (EDIÇÃO ESGOTADA) R$ 25,00
O IPÊ À MINHA JANELA (EDIÇÃO ESGOTADA) R$ 25,00
Textos

A TRAGÉDIA AGORA É NO VALE


No ano passado no artigo que fiz sobre nossos irmãos catarinenses do Vale do Itajaí, não podia imaginar a dimensão do que poderia acontecer no nosso Vale do Paraíba e exatamente um ano depois. A tragédia antes ao lado, hoje é aqui mesmo. Podemos ver a olhos nus nosso formoso Rio Paraíba afogado em suas águas, aliás suas não, mas em águas barrentas de seus formadores dos desmoronamentos ocorridos em cidades por onde, beijando, passa.
O amor pelo Rio Paraíba está nos corações de todos nós, moradores do Vale do Paraíba, talvez, mais no coração dos Jacareienses que veem suas águas passarem romanticamente por bairros de nossa cidade e cada um traz na alma uma lembrança, talvez, da infância dos tempos idos, dos parentes amados que hoje já se foram, dos amores e dos passeios outrora em suas margens.
Nosso Rio passa se exibindo pelo centro da cidade, em plena Praça dos Três Poderes, afirmando sua importância perante os poderes de nossa cidade e grita: - Estou aqui, olhem para mim, estou sufocado no lamaçal de desilusões! Há dias passo chorando e clamando. Ajudem-me, estou morrendo! E hoje, trago comigo lágrimas humanas dos irmãos Valeparaibanos, trazidos pelos meus formadores Rio Paraitinga e Rio Paraibuna.
É leitor, lágrimas dos irmãos de São Luiz do Paraitinga, Cidade Natal do Sanitarista Oswaldo Cruz, que hoje, está totalmente destruída pelas águas barrentas daquele que um dia foi chamado pelos indígenas de Parahytinga do Tupi-Guarani “Águas Claras”. Nossa histórica cidade, hoje submersa!
E como ficamos? Estarrecidos, inertes, sem chão, nada sabemos ao certo, nada a fazer, sem muito a dizer; orar parece ser o melhor caminho, porque sabemos quase tudo de tecnologia e não sabemos nada! Sobre as forças da natureza somos vulneráveis, acordamos atrasados e não fizemos os deveres de casa, vimos que o pesadelo é o que vivenciamos e estamos certos que só a Deus cabe todas as coisas. A nós, consciência, força para continuar e solidariedade aos irmãos desabrigados, ao Rio Paraíba nossos olhos e ouvidos ao que tenta nos avisar.
A cada um cabe uma parte, nunca é tarde para mudar enquanto existir amor e boa vontade para transformar nosso pesadelo em sonhos para acalmar as entranhas do nosso planeta!

Salette Granato
    05/01/2010
SALETTE GRANATO
Enviado por SALETTE GRANATO em 05/02/2010
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras