"Agradeço a Deus Pai, a Deus Filho e a Deus Espírito, para mim sem Eles nada é possível, nada sou e nada faço." "A Graça de Deus me basta!"

Salette Granato

A BICICLETA AZUL, O QUARTINHO E O COELHÃO AMA... R$ 25,00
A GUERRA NA SOMBRA DO POETA (EDIÇÃO ESGOTADA) R$ 25,00
O IPÊ À MINHA JANELA (EDIÇÃO ESGOTADA) R$ 25,00
Textos

O BURRO
Passava ano, entrava ano e lá estava o burro na praça principal ou passeando pelas ruas da cidade. O burro gostava mesmo quando alguém resolvia parar para lhe dar atenção, é isso mesmo leitor, não era um burro comum, gostava de atenção. Ele gostava de ser admirado e de tudo fazia para chamar a atenção de quem passava por perto e se perguntava:
“Como pode um burro em plena praça, no centro da cidade?”
Mas, o burro continuava ali e ninguém conseguia tirá-lo, os comentários cresceram e o burro passou a ser noticiário, gostava de ser fotografado, fazia poses e emitia ruídos. Em todos os acontecimentos importantes lá estava ele, o burro, em datas comemorativas, nas festas da Igreja Matriz ou nos protestos sindicais. É isso aí, o burro gostava de política e fazia de tudo para aparecer, assim emitia seus ruídos em meio a população, desfilava e como se fosse um monumento, deixava ser observado e admirado por todos.
A preferência do burro era mesmo fazer protestos nas galerias de uma Câmara Municipal. É leitor, isso mesmo, não estou falando de um bicho, mas de um homem, que caracterizado de burro, cabeça e rabo se dispôs a protestar em plena praça principal de uma cidade, ou melhor, da minha cidade. Seus protestos políticos aconteceram durante anos. O homem saía pelas ruas caracterizado de burro a ouvir as queixas dos cidadãos e acabava expondo suas idéias políticas revolucionárias.
O burro que não é burro, com a sua teimosia e persistência, ficou famoso,  as pessoas resolveram ouvi-lo, perceberam que o burro sabia o que estava falando e gostaram das suas idéias. Sempre muito simpático o  burro sorria e atraia a atenção de todos e foi assim que ele conquistou a população.
O burro costumava repetir:
“Eles acham que eu sou burro, então resolvi assumir essa identidade, serei um burro.”
E lá seguia o burro nos seus protestos diários, solitários pelas ruas da cidade.
O burro que não é burro, mas de tão teimoso se fez ouvir e pasmem, leitores, foi eleito e vai assumir o seu primeiro mandato parlamentar.
É, esse burro não tem nada de burro, um excelente marketing que inventou, protestou e o povo aprovou!
O burro que não é burro ficou entre os mais votados da cidade!
Que sacada do burro, que de burro não tem nada, só a teimosia!
Parabéns ao burro!
Salette Granato
      06/10/08

SALETTE GRANATO
Enviado por SALETTE GRANATO em 08/10/2008
Alterado em 17/11/2008
Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras